quinta-feira, 28 de abril de 2011

Joaquim Carreira

Joaquim Carreira

(finado a 25.04.2011)

Naquele longínquo ano da minha meninice

Chegaste, anunciado, da primeira prisão.

Já não sei bem quem foi que o disse

Que te aguentaras bem, dizendo não.

Prisioneiro da PIDE e do fascismo

Eras um exemplo da luta marinhense

Que, abraçando convicto o comunismo

Mostraste que o terror, a razão nunca vence.

Depois veio a liberdade dos cravos d’Abril

Que te encontrou de novo encarcerado

E foste mais um, libertado entre mil,

Que povoou Portugal, resgatado.

E vieram outras lutas, desta vez dialécticas

Para impor uma razão a outra razão.

Nem sempre tuas ideias foram as mais proféticas,

Mas eram a voz do teu coração.

Quem sempre foi livre, ignora as torturas

Que se faziam naquele triste tempo

É fácil esquecer essas amarguras

Como fácil será caíres no esquecimento

Repousa pois, amigo Carreira

Já não tens mais razão para lutar

Talvez nalgum tempo, e d’alguma maneira

Teu exemplo de luta se venha a lembrar.

Sérgio Bento

Com a devida vénia ao Jornal da Marinha Grande e ao Sérgio Bento deixo aqui um poema dedicado a Joaquim Carreira.
Quero tambem realçar o trabalho jornalistico feito pelo Jornal a propósito do seu falecimento, relembrando alguns dos aspectos da sua vida.
Não podia deixar de referir o artigo do Henrique Neto, um amigo de sempre e dos que  sempre estiveram presentes.


3 comentários:

Fê-blue bird disse...

Um poema lindo e comovente.
Uma vida dedicada à luta pela liberdade não pode nem deve ser esquecida.

Bjos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Uma bela dedicatória, Rodrigo. De certeza que ele vai gostar de ler, onde estiver.
abraço

Alfredo Poeiras disse...

Rodrigo durante vários anos os nossos caminhos foram feitos juntos com o Carreira, continuo a guardar todo esse tempo passado nas minhas memórias.
Penso que já tens conhecimento da iniciativa que alguns amigos e posso dizer camaradas nossos, pretendem fazer para recordar o nosso camarada e amigo Carreira, já estive presente numa das tertúlias e posso-te dizer que fiquei imensamente feliz por voltar a ver reunidos na mesma mesa, sem qualquer problema um grande conjunto de amigos comuns do nosso passado politico.
Não sei se pretendes tambem participar para recordar aquele que para mim foi, sem qualquer duvida,um enorme lutador pela LIBERDADE.
Da minha parte gostava de te encontrar nesta recordação.
Um grande abraço.
Poeiras