quinta-feira, 11 de agosto de 2011

O custo das "Mudanças"

Tenho um amigo com quem mantive uma relação profissional durante anos, que do ponto de vista político/ideológico é a coisa mais complicada que a vida me deu a conhecer.
Dá uma no cravo e outra na ferradura. Tão depressa tem argumentos progressistas como dos mais retrógrados possíveis.

No entanto, alguns anos de convivência com longas horas de conversa, fizeram com que algumas das suas teorias (escangalhadas) me venham de tempos a tempos à memória.
Uma dessas teorias era o retorno à Monarquia do Século 19 argumentando que era o regime mais barato. O rei e tudo o que ali gravitava à sua volta enriqueciam à grande. Toda a Nobreza tinha abundantes privilégios e grandes riquezas.

Defendia o meu amigo que quando o Rei morria os custos da mudança eram mínimos dado que praticamente não havia mais nomeações e como já estava tudo rico, não havia mais gente para se lançar ao pote.

Esta teoria do meu amigo Sousa (ele não se importa) era a contraposição ao que acontece nas Democracias modernas, muda o Governo e há uma mudança generalizada de assessores, especialistas presidentes disto e daquilo. Indemnizações para quem sai antes de tempo porque a cor política é outra e mais uma catrefada de gente que inclui até os motoristas.

Conclusão (do meu amigo) quando um governo sai há uma série de gente que enriqueceu e também sai. Os que saem dão lugar a outros que vão tesos e como tal também vão enriquecer e assim sucessivamente. Claro que eu não estou de acordo com o Sousa, mas pensando bem? Se calhar tem alguma razão.

4 comentários:

L.O.L. disse...

É claro que esse seu amigo tem uma certa razão. O meu falecido avô também era complicadíssimo e de vez em quando lá dizia as suas parvoíces com mestria e convicção. E não é que ele acertou em algumas coisas que previu que iria acontecer neste país????

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O Cavaco gasta quase tanto cooa Coroa britânica, Rodrigo. Mas só de pensar no D. Duarte Rei morro de riso!

Pedro Coimbra disse...

Estou exactamenmte na onda do Carlos.
Como é que se pode pensar em monarquia com o Duarte como pretendente ao trono?
"O rei vai nú, disse o Duarte à Isabelinha na Praia do Meco." (Arcebispo de Cantuária)

folha seca disse...

Meus caros
Como é evidente não defendo a Monarquia.
O que procurei utilizando as teorias "escangalhadas" do meu amigo Sousa foi chamar a atenção para o valor que se gasta quando há uma mudança de governo. São centenas de substituições com as devidas compensações, já para não falar nos subsidios de reintegração.
Abraços