quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Erguem-se muros


Erguem-se muros em volta
do corpo quando nos damos
amor semeia a revolta
que nesse instante calamos

Semeia a revolta e o dia
cobrir-se-á de navios (bis)
há que fazer-nos ao mar
antes que sequem os rios

Secos os rios a noite
tem os caminhos fechados (bis)
Há que fazer-nos ao mar
ou ficaremos cercados

Amor semeia a revolta
antes que sequem os rios...

Fenando Pais

4 comentários:

L.O.L. disse...

Grandioso Adriano Correia De Oliveira. Música com muita alma.

Ana Paula Fitas disse...

Lindissimo, caro Rodrigo!
Obrigado pela excelente escolha que é, para mim, um inédito!
Um grande abraço.

Mery disse...

Maravilhoso!
Poema e música.
Abraços da Mery.

Pedro Coimbra disse...

Gosto muito, Rodrigo.
Um abraço