quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Democracia? Suspenda-se!

Esta minha mania de, de vez em quando ir mandando uns palpites, está a criar-me alguma dificuldade. Naturalmente que vou estando atento, dentro do possível e até onde a minha capacidade de absorção permite, aos acontecimentos por esse Mundo fora e naturalmente com uma maior atenção aos de dentro de casa e na dos vizinhos mais próximos.

Na verdade, fomos para um fim-de-semana comprido (para alguns) com a ideia de que a crise da zona Euro estava resolvida (ou quase) no feriado de ontem soubemos que nessa mesma zona tinha havido um grande trambolhão na queda das bolsas e um grande safanão no aumento dos juros das dívidas soberanas.

Ficámos a saber que tudo isto se deveu ao facto do Primeiro-ministro Grego, ao ver-se como tal, para acalmar as movimentações populares, ter decidido promover a utilização de um dos instrumentos Democráticos para auscultar a opinião do seu Povo. Pronto está tudo lixado outra vez.

Cá por mim, a opção já tinha sido sugerida em tempos por uma tal Senhora, que até dirigiu um dos partidos da actual coligação no poder em Portugal. “Suspenda-se a Democracia” e porrada nos Gregos com fartura.

Eu tenho é medo do efeito de “contágio”.

9 comentários:

Clarisse Silva disse...

Caro folha seca,

O estado a que chegamos é o resultado das políticas adoptadas até hoje. Continuar com elas ou não, é engordar a palavra crise ainda mais, ou enterrá-la de vez.

A crise económica foi parida pela crise de valores...

Saudações
Clarisse Silva

Corina de Oliveira disse...

Sei que não vai ter muito haver, no entanto, gostaria de lhe chamar a sua atenção para a falta de "democracia" do caso agora um tanto quanto polémico da menina que fez tratamento no IPO a "Safira", que mereceu uma Grande Reportagem e entrevistas posteriores... Os médicos estão a começar a aperceber-se que agora nesta Era de Informação não podem ser Deuses nesta Democracia forçada.

Carlos Albuquerque disse...

Caro Rodrigo:
Julgo que o PM grego ao ver o perdão, em 50%, da dívida soberana do seu país agarrada a novo e drástico pacote de medidas de austeridade, se terá interrogado: É este o caminho que devo seguir? Anunciou, então, que iria ouvir o seu povo promovendo um referendo. Tanto bastou para que o capitalismo conservador e neo-liberal que domina a UE, assente no eixo Berlim/Paris, tremesse de alto a baixo. Merkel entrou em histeria e o húngaro Sarkozy espirrou ódio! Como se atreve um país da periferia europeia a falar no recurso a instrumentos democráticos, sem antes lhes pedir autorização? Agora estarão ambos, por certo, a pensar, com a ajuda dos mercados que subiram os juros das dívidas soberanas e fizeram as bolsas entrar em crash, na maneira de estrangular a Grécia e, caso não o consigam, submergi-la mo mar Egeu, apagá-la do mapa.
Li, algures por aí, que em Atenas os militares estavam nervosos e circulavam rumores de um golpe de estado. Daí a substituição de todas as chefias militares. Não sei se isto corresponde à verdade, mas como nunca há fumo sem fogo...
Seja como for, a partir da altura em que o PM grego anunciou um referendo, nada na UE voltará a ser como até aqui. Resta saber aonde é que esta situação nos conduzirá. Um cenário provável é o da extinção da zona euro e, por arrasto, o da própria UE. Provavelmente os povos europeus irão dar-se conta de que o seu futuro não passa pelo federalismo, mas sim pela "Europa das Pátrias" de que falava de Gaulle. Com o respeito pela soberania própria de cada estado e em que a postura política das nações tenha por base a solidariedade financeira, económica e social, no respeito que deve presidir à manutenção de um clima de paz e de afirmação dos valores europeus. A Europa foi autora de uma das mais nobres criações da espécie humana, o Estado Social. Há que mantê-la.
Só pela pedrada no charco da pasmaceira, indigência e criminosa indiferença do actual directório político da UE,a atitude do PM grego merece não ser negligenciada.
Abraço

Janita disse...

Olá Rodrigo,
a crer nas últimas notícias já está tudo sem efeito, ou seja, o referendo já era!
Papandreou, ou seria tolo ou esperto, acho que foi muito esperto!
Um abraço.
Janita

Gisa disse...

A situação está mais séria a cada dia.
Um problema.
Um grande bj querido amigo

carol disse...

Sabe, folha seca, é que a democracia faz impressão a muita gente! Especialmente aos fulanos de direita, como são os Sarkozy(s) e as Merkel (ariana e nazi).

Mas esses desenvolvimentos até fazem medo. Receio bem que os gregos se envolvam numa guerra civil.

Pobre Europa!

Rogério Pereira disse...

Não sei sei se Papandreou
é um homem acossado
ou um presidente lúcido...
Mas que fez tremer o sistema, lá isso fêz
Quando chegará nossa vêz?

(A Democracia está suspensa
há mais tempo do que pensa)

(E se naquele dia em que apenas uns reccusaram um encontro, outros lhe tivessem seguido o exemplo? ...É que o pacto foi assinado, com o parlamento dissolvido. Nesse dia a Democracia entrou em coma...)

Pedro Coimbra disse...

O Rodrigo rouba ideias à Manela?
Credo!! :))
Abraço

Fê-blue bird disse...

Meu amigo:
Estamos a assistir a uma verdadeira tragédia grega em forma de novela.
Cada dia um novo episódio, temo que ainda a procissão vá no adro.

beijinhos