sábado, 2 de julho de 2011

Todo o tempo do Mundo

Muitas vezes absorvidos com os nossos problemas e preocupações acabamos por nos tornar egoístas ao ponto de nos esquecermos que aqueles que amamos, também têm problemas e preocupações. Sem querer, acabamos por nos fechar e não dar a atenção devida a quem dela precisa.
As canções do Rui Veloso escritas pelo Carlos Tê contam sempre uma estória. Por vezes ouvimos, gostamos mas não nos debruçamos no seu conteúdo.
Um dia alguém que amo muito, no final duma pequena discussão, disparou: mais ou menos isto “já que gostas tanto do Rui Veloso, ouve a canção (todo o tempo do mundo) e reflecte”.
Já passou muito tempo. Relembro sempre emocionado, este episódio quando ouço esta canção.

3 comentários:

Luís Coelho disse...

E todos os dias e em quase todas as horas travamos destas batalhas.
Deixa-me ver isto...
E o outro que espere como se os seus problemas fossem causas menores....

De quando em vez é bom pensar.

A.Tapadinhas disse...

Com a idade, começamos a notar que, afinal, todo o tempo do mundo, não vai chegar para fazer o que gostaríamos.

E a culpa é sempre da certeza da imortalidade quando somos jovens! O tempo que desperdiçamos com futilidades!

Abraço,
António

Isa GT disse...

Já não me lembro onde nem quando... mas alguém dizia que o amor se poderia medir... na mesma proporção, do tempo que nós damos a alguém... talvez por ser o Tempo o nosso Bem mais precioso... porque depois de gasto nunca se poderá pedir de volta... nem por empréstimo ;)

Bjos