quarta-feira, 2 de março de 2011

Uma Bica e um Pastel de Nata, com Factura se faz favor...

Esta foi umas das noites mal dormidas. Daí ter – me levantado um pouco mais tarde e o pequeno-almoço ficou por tomar.
Passei por um café e pedi uma bica e um pastel de nata. Logo que fui servido pedi a conta. A empregada respondeu-me que tinha que esperar pela factura. Para que é que eu quero a factura, ande despache-me que já estou atrasado. Não pode ser, ainda anteontem aqui estiveram os fiscais das finanças e disseram-nos que somos obrigados a passar factura em tudo.

Olhei para o canto e lá estava outra das empregadas de empreitada a passar facturas à mão. Ainda perguntei. Então mas a máquina registadora não faz isso? Faz mas é preciso comprar um programa informático que custa 2 mil e tal euros e o meu patrão ainda não teve dinheiro para isso.
Pronto um gesto que demoraria 5 minutos acabou por demorar o dobro e a factura que fui obrigado a agarrar foi parar ao cesto dos papéis mais próximo, até porque não sabendo de cor o nº de contribuinte dei um ao “calha”.
Vim pelo caminho a pensar mas que raio de simplex é este?

7 comentários:

flor de jasmim disse...

Além de tempo perdido pelo menos mantém um posto de trabalho o da empregada que está a passar as facturas, mesmos sendo elas para o lixo, afinal o fisco nem considera as facturas que não tenham o nome e nº de contribuinte do cliente impressas pela própria máquina ou computador, as que forem feitas á mão será acrescido uma certa percentagem no fim do ano no I.R.C., este é o simplex, como se todos os comerciantes tivessem a facilidade de dar tanto dinheiro por um programa informático, que para o ano que vem já não vai servir. O País simplex. Quantas pastelarias abrem e muitos dias não conseguem receita que pague as despesas fixas que existem sempre que abrem a porta.
Beijinho

Fê-blue bird disse...

Sabe que essas medidas vêm de cabeças que não sabem o que mais hão-de fazer para "lixar" o pequeno comerciante. Sinceramente há coisas que não têm explicação :(
Acho que o café até lhe deve ter caído mal ;)

bjos

Anónimo disse...

De repente, veio-me o seguinte pensamento:
Eu sou daqueles marinhenses que de vez em quando, gosta de ir ver o mar e na volta trazer o nosso tradicional "marisco", ou seja o belo tremoço, a que alguns vendedores ambulantes ainda se dedicam a vender. Com a obrigatoriedade da factura, tenho receio de duas coisas. A primeira é que algum dia me apreendam os tremoços por não trazer factura. E a segunda é que estes vendedores desistam da sua actividade para não aturarem estes preciosismos.
Cumprimentos.

Sam Seaborn disse...

As finanças, por eventual pressão governamental tentam apertar o cerco ao que não controlam. A certificação de software vai ter um custo real para as empresas, havendo um período alargado para empresas abaixo de um determinado valor de vendas realizadas. Contudo muito certamente para se certificar o software das grandes empresas do sector empresarial do estado muito dificilmente o orçamente não irá derrapar quando o sacrifício continua do lado dos salários.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Pois é meu, caro, mas também li hoje que se o Estado conseguisse recuperar os impostos em dívida, era o suficiente para cobrir o défice e todos sabemos que a restauração é um dos sectores onde há mais fugas ao fisco.
Em tempo: Outro dia falou-me lá no CR da revista Dirigir. Pode assiná-la gratuitamente, numa delegação do IEFP ou pedir directamente para a sede em Lisboa.
Abraço

Pedro Coimbra disse...

Agora estou curioso - seu comprar uma chiclete também têm que me dar factura?
Abraço

Luís Coelho disse...

Felizmente que não bebo café e se fosse obrigado a esperar pela factura penso que deixaria o dinheiro da despesa em cima do balcão e sairia mais rápido do que havia entrado...........
Ando cá com uma falta de paciência...deve ser da idade ou das corridas que nunca faço...