segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Desespero...

Acabo de ler no blogue do João Quitério uma estória, que na diagonal já tinha lido em qualquer lado. Não me chamaria muito a atenção não fosse o facto do autor do post a ter tratado da forma como fez.
Na verdade “estamos” a ficar insensíveis à miséria alheia. Quantos suicídios há diariamente e não procuramos saber o porquê? Ficando muita vez indiferentes.

No caso concreto tratava-se de dois irmãos que as vicissitudes da vida atiraram para a indigência e que desesperados sem apoio de ninguém cometeram um acto “tresloucado”.
Mas os jornais vão-nos dando notícias de outro tipo de pessoas que cometem suicídio. Não, não são só indigentes. Não, não é só por questões financeiras ou até amorosas.

Dizem-nos também os jornais que o consumo de medicamentos antidepressivos têm tido um brutal aumento no seu consumo. Dizem-nos também que o número de consultas de psiquiatria e psicologia clinica aumentou, também brutalmente.
Esta sociedade está a ficar doente. Acreditar no futuro está a ser um exercício difícil.

Quantos mais “Sopapos” como escreveu o Carlos Barbosa de Oliveira, temos que levar?

8 comentários:

L.O.L. disse...

É preciso ser-se muito forte de espírito para sobreviver no meio de tantos animais que nos rodeiam. É um facto. Uma boa tarde para si, meu caro.

acácia rubra disse...

Está a haver um desespero apreendido, que se entranha e que vai ser muito difícil de apagar.

Vive-se em desânimo. Já não posso ouvir o Ministro e até tremo quando se fala de finanças, a começar pelas caseiras...

Beijo

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O último sopapo vai ser dado dentro de dias. Com o preço a pagar pelas diatribes do trafulha da Madeira, mas também com a insensibilidade dos grandes europeus face à crise grega. Como há pouco escrevi no CR, o naufrágio é uma questão de meses.

Janita disse...

Rodrigo,
também li esse relato impressionante sobre o desfecho trágico dessas duas vidas em desespero, através de link no CR.
Estamos a ser arrastados para um precipício e o mais angustiante é sabermos que a corda sempre rebentará pelo lado dos mais fracos.
O mundo está mesmo a ficar doente e sem cura à vista.
Um abraço Rodrigo.
Janita

Sonhadora disse...

Passei e gostei de tudo que li por aqui e tomei a liberdade de seguir para poder voltar mais vezes.
Quanto ao texto é chocante, mas infelizmente a maior parte da humanidade só consegue olhar em frente e não para quem por vezes está ao lado.
Deixo um beijinho
Sonhadora

Flor do Liz disse...

Fiquei em choque, completa indiferença para com o nosso semelhante.
Estamos todos loucos, uns de uma maneira, outros de outra...

carol disse...

É bem verdade.E muito responsáveis por esses estados de alma são, para além das circunstâncias e das vivências, os meios de comunicação social que nos "ensopam" com a crise e o de pior que aí vem. Ah! E o PR eo PM também... Vêm sempre com os semblantes cinzentos (saberão pô-los de outra cor?) avisar o desgraçado do povo do mal que vão ter de aguentar. Parece que têm prazer em pôr para baixo quem já se sente no chão, na lama. Somos um país de m... ...

Fê-blue bird disse...

Também li e também me comovi.
Estas notícias infelizmente vão ser cada vez mais frequentes.
O desespero, a incompreensão e o abandono de quem os devia proteger vão fazer muitas vítimas.

beijinhos