quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Zeca Afonso _ Paz Poeta e Pombas

6 comentários:

Luís Coelho disse...

Agradeço a tua passagem no lidacoelho e as palavras amáveis.
Assustei-me com «um murro no estomago»
Eu que sou pacífico e nunca bati em ninguem, tremeliquei todinho...
Sei que é uma expressão corrente e que está bem empregue.
Gostaria que esta história que é um pouco universal fosse um despertar de consciências e que os comentários nos enriquecessem a todos.

Deixo-te um abraço com uma flor de Jasmim que adivinho ser uma grande mulher e amiga pessoal.
Peço desculpa por este paragrafo.

Rogério Pereira disse...

Ainda há coisas mal conhecidas. Faz bem em divulgá-las (sobretudo quando ganham inesperada actualidade...)

flor de jasmim disse...

Sempre optimas escolhas. O Zeca sempre actual e inesquecivél. Não é possivél esquecer até porque estamos sempre a ouvi-lo em casa. Obrigado por mais esta partilha.
Beijinho

Hanukká disse...

Olá, um abraço de paz pra seu coração.

“O verdadeiro amor ferve, mas não derrama. O amor a Deus, assim como é sincero e sem hipocrisia, é constante e sem apostasia”.

Thomas Watson

O Puma disse...

e que vença a revolução

e se poupe o museu património da humanidade

Mariazita disse...

Entrei por acaso, "levada" pelo Zeca Afonso, de quem gosto imenso.
Este espaço é muito atraente. Tem posts belíssimos.
Se me deres licença:) vou fazer-me tua seguidora, para não te perder o rumo e poder voltar.

Continuação de boa semana. Beijinhos