sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Vemos Ouvimos e Lemos...

No momento em que escrevo este texto, algures no Norte de África num País chamado Líbia, Homens Mulheres e Crianças morrem, ao que tudo indica às centenas em defesa, uns da liberdade, outros da manutenção de um regime déspota que já dura há 40 anos.

Não me atrevo a teorizar como tenho vistos nalguns blogues amigos sobre o que virá a seguir. Não me atrevo sequer a mandar palpites sobre as responsabilidades de vários Países Ocidentais, especialmente no que toca ao fornecimento do armamento que está a ser usado contra os manifestantes, apanhando muita da população que está no caminho e naturalmente inocente.

Mas há uma coisa que sei. Onde há um ser humano a ser preso, torturado ou assassinado, isso não me passa ao lado e como tal, não consigo ficar indiferente.

Era muito Jovem quando comecei a protestar contra as guerras. A guerra Colonial e a do Vietname. Muitas outras se seguiram. Muitas outras se seguirão. Enquanto algumas da chamadas economias fortes do mundo Ocidental tiver como um dos grandes pilares da sua economia a fabricação de armamento, haverá sempre guerras, em geral inventadas para que os stocks se gastem e se possam vender mais para alimentar a miserável e assassina industria da guerra.

7 comentários:

Rogério Pereira disse...

O hemisfério norte viveu à custa do hemisfério sul... as coisas estão a mudar. Só não mudaram antes porque o acordar dos povos é lento... e a força é bruta!

(é bom que vá pensando nas consequências...)

Fê-blue bird disse...

Eu nem me atrevo a pensar nas consequências:(
Beijos e bom fim de semana

Ana Paula Fitas disse...

Caro Rodrigo,
Faço link.
Obrigado.
Abraço.

Luís Coelho disse...

Hoje deixaste-nos com os teus pensamentos e as tuas angústias.
A história faz-se todos os dias. Muitos inocentes pagam com as suas vidas a tirania de uns tantos iluminados agarrados ao poder e baseados unicamente nas armas e na opressão.
Hoje vivemos uma sociedade que aprende a matar e a destruir e por tudo isso tem um prémio. Ninguem os castiga. Ninguém os corrige porque eles não aceitam..........

Obrigado pelo carinho no «lidacoelho»
A vida é assim. Aqui saíram com por amor.
Levam bagagem aprenderam a saber usá-la.

Mar Arável disse...

As sombras

não passam do chão

flor de jasmim disse...

As maiores guerras são travadas no comércio e não nos campos de batalha, estes apenas servem para aparar o tombo dos corpos inocentes que infelizmente morrem.
beijinho

Pedro Coimbra disse...

Ontem, à chegada a Itália, um dos refugiados falava em milhares de mortos.
Só num bombardeamento aéreo teriam sido mais de 500.
Genocídio, é assim que se qualificam estes actos.
Um abraço