quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Zeca. 25 Anos Depois!

  Só nós estamos proibidos de cantar. Vós não!
Outono/Inverno de 1973 Salão de festas do Sport Operário Marinhense.
Reacção do Zeca à notificação pelas "autoridades" do regime então vigente, à proibição da realização do espectáculo marcado.
E nós cantámos, cantámos.
O meu primeiro encontro com o Zeca.
Hoje deixo-o em silêncio.
Se o Zeca já não pode cantar, façamos com que seja ouvido.
Foto de Joaquim Lobo

10 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Escrevo, mais ou menos, o que escrevi no blogue da Adélia - que melhor homenagem que continuar a ouvir, e a cantar, as canções do Zeca?
Aquele abraço

Isa GT disse...

Não há dúvida que tenho certas manias, uma delas é não gostar de comemorar a data da morte das pessoas, faz mais sentido comemorar a do seu nascimento, se é uma pessoa de quem eu gosto faz mais sentido a altura em que o Mundo ganhou qualquer coisa em vez de a perder...
Assim, se eu pudesse mudar alguma data, mudava as comemorações para 2 de Agosto ;)e continuar a ouvi-lo durante o ano inteiro :)
Bjos

São disse...

Agradeço o testemunho, pois sabia do que acontecera, mas por interpostas pessoas.

Viva Zeca, sempre!

Um abraço.

samuel disse...

Reacção bem típica do Zeca. Actuante... mas com uma dose certa de humor.

Boa recordação!

Mar Arável disse...

Na verdade

maior que o pensamento

Fê-blue bird disse...

Zeca Afonso, será sempre a voz, dos oprimidos e dos injustiçados deste País.
Ele continua sempre presente, agora mais do que nunca.

beijinhos

acácia rubra disse...

Estou aqui!

PRESENTE, DE PÉ. SEMPRE!

Beijo

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

É essa a melhor homenagem que lhe podemos prestar, Rodrigo
Abraço
Então e como vai a saúde? Totalmente recomposto?

Pedro Coimbra disse...

Aquele abraço e bfds, Rodrigo!!

Lídia Borges disse...

Uma voz que ecoa, que traduz o respirar de um povo maltratado, ontem como hoje.

L.B.