sexta-feira, 30 de setembro de 2011

"Perfilados de medo"

É sabido, Portugal é um país de bons poetas e maus ministros. Pior do que os habituais estadistas, apenas os poetas quando se tornam políticos. No século XIX, resolvia-se a coisa dando aos bardos do regime a pasta do Mar. A Cavaco Silva a poesia é coisa que não lhe assiste, como se diz agora, mesmo tirando algumas tiradas dignas de um surrealismo tardio sobre o “sorriso das vacas”. Em entrevista à TVI, o Presidente-economista deu como adquirido que Portugal necessita fazer esta política de cortes cegos e que está condenado a perder a sua soberania económica. Alexandre O’Neill era poeta e as sua palavras fizeram a autópsia de um país de governantes medíocres e pessoas cujo silêncio cobarde sustentava qualquer ditadura. “Ah o medo vai ter tudo. Tudo (penso que o medo vai ter tudo e tenho medo que é justamente o que o medo quer). O medo vai ter tudo, que se tudo e cada um por seu caminho havemos todos de chegar quase todos a ratos. Sim, a ratos”, escreveu.

O único argumento que os chanceleres europeus e os nossos governantes têm, para impor uma política que vai destruir a economia de todos para dar mais riqueza a muito poucos, é o medo. Depois do estado de choque, da negação, virá a raiva. E algumas pessoas terão a coragem de dizer que preferem ser livres a ser submissas, mesmo que isso seja um caminho mais difícil. A caminhada começa amanhã com as manifestações de 1 de Outubro. Nem toda a gente acha normal ser governada pela Alemanha devido a dívidas que não contraiu e a lucros especulativos que não teve.

Ao jornal i e ao autor desta crónica a devida vénia.
Por Nuno Ramos de Almeida, publicado em 30 Set 2011 - 03:00 Editor-executivo
.
Inspiração surripiada daqui

3 comentários:

joão quitério disse...

Muito bom o artigo e muito oportuna a postagem...
O que hitler não conseguiu pela força das armas a merkel consegue
através da finança.
Euros na mão esquerda, pau na direita...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Com expliquei no comentário ao post de cima, graças ao S. Pedro não vi a entrevista anibalesca. Poupei o coração e os nervos...

carol disse...

Nunca nos livrámos completamente da canga da ditadura (para não falar da ditadura da Igreja) por isso continuamos com medo e acreditamos nas patranhas de medíocres como este presidente. Um desespero!