quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

A minha homengem a um homem bom, que "Foi"


Muito se podia dizer. Neste momento só me ocorre "descansa em paz, Carlos Pinto Coelho. Vamos sentir a tua falta. Aliás ja a sentiamos desde que te impediram de continuar um dos melhores programas de televisão destas bandas.
Até sempre.


PS: Para memória futura. João Gobern sobre Carlos Pinto Coelho. Aqui

8 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Partiu mas deixa memória.
Ao contrário de tantos outros.
Um abraço

Carlos Albuquerque disse...

Conheci-o pessoalmente.
Durante anos trabalhámos, lado a lado, na RTP.
Nem sempre estivemos de acordo (não sendo agora altura de nisso falar), mas sempre lhe reconheci grande capacidade intelectual e qualidade profissional.
Mais um que parte e deixa memória.
Abraço

Ana Brito disse...

Caro Folha Seca
Carlos Pinto Coelho deixa-nos uma vida de memórias vivas que perduram e sustentam a qualidade da sua intelectualidade.
Sentida homenagem...
Abraço amigo
Ana Brito

Fê-blue bird disse...

Amigo Folha Seca:
Solidarizo-me com a sua homenagem.Tem razão mais um que "FOI".

Beijinhos

folha seca disse...

Nunca estive pessoalmente com o Carlos Pinto Coelho, como com outros vultos da nossa cultura, uns já partiram, hoje foi a vez deste homem que durante muito tempo entrou pelas nossas casas através da televisão, dando-nos a conhecer as melhores obras literárias que se iam fazendo e muitos dos seus autores.
Quando por uma decisão, ainda hoje não explicada foi posto termo aquele que foi um dos grandes programas de telivisão que dava pelo nome de "acontece" perdemos uma parte do Carlos Pinto Coelho. Hoje perdemo-lo para sempre. Mas como em muitos outros casos "o homem parte mas a obra fica" esta singela homenagem que aqui deixámos pode e deve ser complementada pelos habitos de leitura que em muitos de nós incutiu ou aprofundou. Qualquer coisa, o Carlos Deixou em nós. Talvez mais do que julgamos.
Obrigado por partilharem comigo esta pequena, mas sentida homenagem.
Abraços

Isa GT disse...

Nestas alturas fico sempre sem palavras... ficam apenas sensações e o relembrar da nossa breve passagem por aqui.

Bjos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Estive com ele poucos dias antes de falecer. Quando soube da sua morte,fiquei alguns minutos a pensar (uma vez mais) que devíamos ter sempre presente que a vida nos pode ser roubada de forma tão brusca, que talvez a devesssemos valorizar mais e viver cada dia como se fosse o último.

folha seca disse...

Cara Isa e caro Carlos Barbosa de Oliveira
Perante Homens com o Carlos Pinto Coelho, ficamos de facto "sem Palavras "e a valorizar cada um dos dias da nossa vida como se cada um fosse o ultimo"
Ficam os exemplos.
Abraços