quinta-feira, 9 de agosto de 2012

"Tempo de travessia"

8 comentários:

Luís Coelho disse...

Bom dia Grande Amigo
Gosto deste pensamento por todas as razões e também pela actualidade.
Vamos a ver se consigo escrever e enviar o comentário sem que me bloqueie o meu computador.
Já fez vários avisos e parece-me que devo acabar e fazer o envio.

L.O.L. disse...

É claro que essa travessia pode conduzir-nos a uma situação bem pior que a anterior. Mas quem não arrisca não petisca... sob pena de ficarmos presos a uma rotina que também não nos leva a nada. Excelente pensamento... o do Pessoa.
Um grande abraço.

quem és, que fazes aqui? disse...

E quem quererá essa roupa usada? Está tão gasta! Mas deixemo-la à beira do caminho e continuemos.

Há tanta gente a querer fazer, como nós, essa travessia!

Beijo

Laura

Rosa dos Ventos disse...

Fernando Pessoa está sempre a surpreender-nos! :-))
Tenho visto esta transcrição, sobretudo no facebook, e no início até duvidei que fosse dele...
Ficarmos à margem de nós é um risco que corremos! :-((
E à margem dos outros e outras também...

Abraço

Vinagrete disse...

Palavras sábias Rodrigo.
Se as transcreveste é porque percebes a profundidade da mensagem.
Se for preciso fazer a travessia, se tiver que ser mesmo, então não podemos vacilar.

Gisa disse...

Vivo um tempo de travessia. Sei que é difícil, mas sei que é necessário.
Um grande bj querido amigo

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Ficar `margem de nós mesmos é uma especialidade tuga, Rodrigo. Pessoa bem o sabia e lançou o aviso, mas poucos o escutaram.
Abraço

Pedro Coimbra disse...

E estamos a viver esse tempo, Rodrigo.
Está a ser doloroso, mas continuo a dizer que vamos sair com roupa nova, arejada, sem cheiro a mofo.
Aquele abraço e votos de bom fim-de-semana