quinta-feira, 9 de junho de 2011

Silêncio E Tanta Gente


Silêncio E Tanta Gente

Às vezes é no meio do silêncio
Que descubro o amor em teu olhar
É uma pedra
Ou um grito
Que nasce em qualquer lugar

Às vezes é no meio de tanta gente
Que descubro afinal aquilo que sou
Sou um grito
Ou sou uma pedra
De um lugar onde não estou

Às vezes sou também
O tempo que tarda em passar
E aquilo em que ninguém quer acreditar

Às vezes sou também
Um sim alegre
Ou um triste não
E troco a minha vida por um dia de ilusão
E troco a minha vida por um dia de ilusão

Às vezes é no meio do silêncio
Que descubro as palavras por dizer
É uma pedra
Ou um grito
De um amor por acontecer

Às vezes é no meio de tanta gente
Que descubro afinal p'ra onde vou
E esta pedra
E este grito
São a história d'aquilo que sou

Maria Guinot

2 comentários:

Luís Coelho disse...

Bom dia Amigo
Estou numa corrida contra o tempo por ter tanta coisa por fazer e me ter prendido aqui neste canto de leitura e de toca de opiniões.

Gostei de recordar esta música e a mensagem numa voz tão nossa familiar.

Bom fim de semana...Que sorte

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Uma grande voz, a desta senhora. E uma recordação muito oportuna, também.