quarta-feira, 1 de junho de 2011

Meu caro amigo, a coisa aqui tá preta

Quando a argumentação nos falha. Ou quando já pouco mais há para dizer,uma canção, um poema ou uma imagem, pode substituir as palavras que não somos capazes de escrever ou dizer. Neste momento quero transmitir aquele que foi o "meu deputado" durante muitos anos, mas que ambições carreiristas de novos Videirinhos que por aqui dominam, até essa possibilidade me tiraram de nele voltar a votar porque foi afastado para os confins do País.Dedico-lhe esta canção, pois sei quanto gosta do Xico Buarque e o quanto se deve sentir, fora do seu ambiente de uma vida de luta, pela conquista, pela consolidação e pelo aprofundamento da democracia.
Abraço caro Amigo

16 comentários:

Isa GT disse...

Por aqui a coisa não está preta... está em carvão ;)

Bjos

folha seca disse...

Isa
Foi uma mensagem muita sincera a um grande amigo. Não foi muito explícito, mas foi de propósito.
A propósito por onde ande. Dê-me lá as coordenadas que já tenho saudades de uma "travessura".
Abraço

Rogério Pereira disse...

Sabe que a desertificação faz correr o risco da continuidade de algumas cidades capitais de distrito? Beja é um caso (já referi isso num post meu em Fevereiro do ano passado).

Quanto a Chico Buarque ponha-o sempre mesmo quado estiver com assunto e inspiração para dar e vender...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Eu diria mesmo que a coisa aqui está em brasa, meu caro!

Fada do bosque disse...

Caro amigo... é o que sempre tem acontecido a quem diz a verdade em Portugal... está tramado! "A democracia constitui necessariamente um despotismo, porquanto estabelece um poder executivo contrário à vontade geral. Sendo possível que todos decidam contra um cuja opinião possa diferir, a vontade de todos não é por tanto a de todos, o qual é contraditório e oposto à liberdade." Kant

folha seca disse...

Caro Rogério
Mais uma vez mostrou a sua especial perspicácia. De facto referia-me a quem sabe.
Sou dos que pensa que a necessária e inevitável transformação da sociedade passa por colocar nos sítios certos as pessoas certas indepedentemente do emblema que usam (lembra-se do José Barata Moura naquela do cravo vermelho?. Mas quando toca a "poderes e lugares" há quem empurre para fora os que os podem ofuscar. Aqui no meu Distrito foi o que se viu. Mas naturalmente que não fica por aqui e a mim tambem "ninguem me cala".
Abraço

Caro Carlos Barbosa de Oliveira
Gostava de partilhar do optimismo do meu caro. Acho que ainda são só brasas.
Abraço

Cara Fada do Bosque
Comecei muito cedo a conviver com gente que foi tramada por lutar pela verdade. Fiquei irremediávelmente marcado por o meu Avô ter sido preso durante 14 anos (tinha o meu Pai 1 ano) o meu avô que se tornou uma pessoa muito especial para mim ( se interessar ver poste de 18 de Janeiro deste ano)nunca revelou qualquer arrependimento. Morreu cedo, mas feliz porque já havia liberdade e ele durante dois anos ainda a saboreou.
Cumprimentos

Fernanda disse...

Julgo que não nos conhecemos "oficialmente"... mas já nos cruzamos por aí.
Visito mais a Flor de Jasmim :)

Pois é assim mesmo, acho que sei de quem fala... também eu estou perdida no meio da ponte.
O meu candidato não chegará nunca ao poder, com muita pena minha.
Assim sendo, escolherei o mal menor. O Sócrates não pode voltar!
Chega!!!

Beijinho

Gisa disse...

Amo Chico Buarque e suas músicas, dessa fase, são verdadeiros retratos de uma época muito complicada do Brasil.
Um grande beijo

folha seca disse...

Gisa
Bom gosto e você aí tão perto.
Peço desculpa por ainda não ter deixado assinatura no seu blogue, mas claro que tenho por lá passado.
Retribuo o beijo e junto-lhe outro.

folha seca disse...

Cara Ná
De facto não nos conhecemos "oficialmente" coisa que na blogosfera é natural. Isso não significa que não tenha já dado umas valentes espreitadelas à Casa do Rau.
Se nunca comentei (não sei se não) é porque a beleza dos seus posts é tal que não consigo acrescentar nada.
Quanto ao "mal menor" Apenas sei que o J.Sócrates não leva mais o meu voto. Embora acredite que no P.S Há muita gente boa.
Beijinho.
Rodrigo

Carlos Albuquerque disse...

Um atropelo de saúde levou-me a uma ausência.
Li o post e comentários.
Quanto ao Chico Buarque, de acordo como que diz o Rogério Pereira.
No que respeita ao voto de 5 de Junho, vou desalinhar...
Não quero a direita no poder, por isso taparei os olhos, engolirei sapos (como diria Cunhal) e votarei no PS, mesmo com Sócrates.
Agora, atirem-me com o Carmo e a Trindade, façam favor.
Um abraço, Rodrigo.

folha seca disse...

Caro Carlos albuquerque
Como lhe disse no seu blogue, o meu caro deve ter cuidado com as emoções (como se isso fosse possível).
Infelizmente parece claro que a direita vai mesmo para o poder. Não por mérito, mas por desmérito de quem o ocupa há 6 anos.
Claro que nunca votarei à direita. Embora não seja um fâ das sondagens esperarei até ao ultimo minuto. Mas só voltarei a votar Sócrates (digo Sócrates) se algo me convencer de que o meu voto pode evitar a vitória da direita.
Abraço

Carlos Albuquerque disse...

Caro Rodrigo
Mesmo que o meu voto não evite a vitória da direita, que ele possa evitar a vitória do apanhador de cerejas e do provador de vinho verde por números que nos possam, sem remissão, atirar para um caminho sem retorno.
Quero acreditar que no PS (se ganhar as eleições) haja quem force Sócrates a "resistir" à troica...
Idealismo?
Talvez!
Mas,não é verdade que o sonho comanda a vida?
Um abraço.

folha seca disse...

Caro Carlos Albuquerque
"e sempre que um homem sonha o mundo pula e avança, como bola colorida entre as mãos de uma criança"
Pensemos nisto no dia da Criança.
Abraço

Luís Coelho disse...

Em política o que mais me dói é o facto de nos prometerem uma coisa e depois fazem precisamente o inverso.

Em vez de justiça trazem maior injustiça, em vez de educação e respeito pela diferença fazem ainda maior o caos.

Não sou de esquerda nem direita. De um e do outro lado existem erros, ganância, prepotência, sede de poder e de compadrio........

Estou cansado ...........
Portugal merecia Políticos melhores, mais altruístas e construtores de uma sociedade sem tantas diferenças sociais e com capacidade de nos fortalecer como país e como povo.

Pedro Coimbra disse...

Mais uma da Ópera do Malandro.
Mas este é um bom malandro.
O pior são os malandros a sério.
E esses abundam.
Abraço