sábado, 28 de julho de 2012

Fernando Tordo canta "Adeus Tristeza"

A tristeza não é um estado permanente, tal como a alegria ou mesmo a felicidade. Durante a minha vida conheci de tudo. Houve uma altura que um dos grandes cantores do século 20, escreveu esta canção (1983). Da primeira vez que a ouvi torneia-a num hino contra a tristeza que se tornou numa espécie de companheira que não me larga.

Num final de sábado em que procurei pôr a escrita em ordem, reunindo leituras, opiniões e tentando perceber o que por aí vem, apeteceu-me ouvir esta bela canção interpretada por este grande cantor. Partilho-a convosco.

6 comentários:

Rogério Pereira disse...

O mais belo texto sem Ary (mas com sua inspiração por perto, decerto)

Na minha vida tive palmas e fracassos
Fui amargura feita notas e compassos
Aconteceu-me estar no palco atrás do pano
Tive a promessa de um contrato por um ano
A entrevista que era boa
E o meu futuro foi aquilo que se viu

Na minha vida tive beijos e empurrões
Esqueci a fome num banquete de ilusões
Não entendi a maior parte dos amores
Só percebi que alguns deixaram muitas dores
Fiz as cantigas que afinal ninguém ouviu
E o meu futuro foi aquilo que se viu

Adeus tristeza, até depois
Chamo-te triste por sentir que entre os dois
Não há mais nada pra fazer ou conversar
Chegou a hora de acabar

Na minha vida fiz viagens de ida e volta
Cantei de tudo por ser um cantor à solta
Devagarinho num couplé pra começar
Com muita força no refrão que é popular
Mas outra vez a triste sorte não sorriu
E o meu futuro foi aquilo que se viu



Na minha vida fui sempre um outro qualquer
Era tão fácil, bastava apenas escolher
Escolher-me a mim, pensei que isso era vaidade
Mas já passou, não sou melhor mas sou verdade
Não ando cá para sofrer mas para viver
E o meu futuro há-de ser o que eu quiser

Ferreira, M.S. disse...

Caro Folha Seca,
Lindíssima, de facto. Mas como cantava o Carlos Paião no 'meia dúzia' :
tristezas não pegam dúvidas!
Um abraço e bom fim-de-semana!

Flor de Jasmim disse...

Estamos aqui os dois lado a lado cada qual no seu portátil e, é impressionante a minha emoção ao ouvir esta canção e, vi e ouvi tantas vezes tu cantares no Karaooke, de muitas esta era uma das que muito bem cantavas, quando ainda existia ânimo, coisa que nos está a ser roubado, não só a nós mas a muitos de nós.

O meu beijinho dou-o agora pessoalmente.

Rosa dos Ventos disse...

Gosto imenso desta canção e ouço-a muitas vezes!
Para afugentar a tristeza...só que ela vive em mim irremediavelmente!

Abraço

Luciano Craveiro disse...

Esta música sempre me acompanhou. Acho que vou fazer um "cover" desta música na minha guitarra. :)

Graça Sampaio disse...

O Tordo! O meu cantor favorito do início dos anos 70 - quando ainda quase ninguém gostava dele. A minha favorita, se assim posso dizer, foi sempre o "Cavalo à Solta". Lindo! Lindo! A completa simbiose entre a música, a voz e a letra (daquele imenso Ary!)