terça-feira, 24 de novembro de 2015

Contra ventos e Marés.

Passaram 2 anos e alguns meses. Numa noite bastante triste dirigi a palavra a António Costa pela primeira vez. Estávamos no velório de Osvaldo Castro. Pedi ao Dr. Álvaro Pereira, presidente da Camara da Marinha Grande que me apresentasse o seu colega de Lisboa. Foi pouco o que lhe disse e a resposta viria uns tempos depois. Fui certamente dos inúmeros Portugueses com alguma simpatia pelo PS que deu um pequeno empurrão para que Costa viesse a assumir a liderança do seu partido.
Na véspera do 40º aniversário de um dia que dividiu dramaticamente os Portugueses Um secretário-geral do PS é indigitado (ou indicado) Primeiro-ministro. Nestes 40 anos, isso aconteceu diversas vezes, mas nunca com um apoio claro e inequívoco duma maioria parlamentar de esquerda.

Não sou dos que pensa que está tudo resolvido. Este País foi demasiado maltratado nestes últimos 4 anos. As mazelas vão demorar o seu tempo a tratar. Muito do que se perdeu é irrecuperável, mas sou dos que pensa que contra ventos e marés, um bom timoneiro é a condição principal para chegar a bom porto. Eu acredito!

6 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Bom timoneiro?
E então a marinhagem?

folha seca disse...

Está implicito neste excerto caro Rogerio.

"Na véspera do 40º aniversário de um dia que dividiu dramaticamente os Portugueses Um secretário-geral do PS é indigitado (ou indicado) Primeiro-ministro. Nestes 40 anos, isso aconteceu diversas vezes, mas nunca com um apoio claro e inequívoco duma maioria parlamentar de esquerda."

Pedro Coimbra disse...

Não sou hipócrita, Rodrigo.
Como tal, continuo a condenar esta golpada, este golpe palaciano.
Dito isto, e porque isso já nem interessa, quero o melhor para o meu País.
Acredito que este triunvirato seja a solução?
Não, não acredito.
Espero muito sinceramente estar enganado.
Aquele abraço

Anónimo disse...

Que o timoneiro conduza o barco a bom porto, com ajudas dos dois marinheiro, eu pelo meu lado acredito que sim.

Flor do Liz

folha seca disse...

Caro Pedro Coimbra

Como sabe sou daqueles que nunca alinhei com a onda de que "os políticos são todos iguais".Sempre achei que havia e há na politica gente séria. No entanto não ponho as mão no lume por ninguém, mas há comportamentos de uma vida que atestam a honestidade das pessoas, na politica ou fora dela. Não lhe vou responder às qualificações (manifestamente exageradas) com que tem qualificado este processo, apenas dizer-lhe que no que toca a "batota e golpaças" há meças a pedir aos protagonistas que estão de malas aviadas.

Um grande abraço.
Rodrigo

folha seca disse...

Cara Flor do Liz

É sempre com prazer que a vejo por aqui.

Cumprimentos
Rodrigo