sábado, 4 de abril de 2015

Páscoa e bons "Padrinhos".

Em véspera do dia de Páscoa e como não tenho nem nunca tive afilhados e os padrinhos já foram, dei comigo a pensar no significado desta palavra “padrinho” sim porque madrinha é na nossa sociedade apenas o prolongamento do dito padrinho.
Pelo que sei e nesta área é muito pouco, padrinho significa uma espécie de segundo pai e consequentemente segunda mãe, ou seja em caso de uma qualquer fatalidade e pela tradição católica (nem sei como é nas outras) os padrinhos (e madrinhas) devem-se substituir aos pais (corrigiam-me por favor, se não for assim).

Ora bem. Como não me perguntaram se queria ser baptizado e em qual das religiões existentes à época, lá me lavaram a cabeça numa das pias da igreja católica, não me lembro mas deve ter sido mais ou menos isto. Nem me lembro sequer se barafustei, mas pelo que ainda hoje vejo, imagino que sim.
Mas esta conversa que não desata daqui tem outro objectivo, falar (ou tentar falar sobre padrinhos). Acho que sempre ouvi a utilização da expressão “padrinhos” muitas vezes relacionada com outros aspectos da vida que não o sentido canónico/religioso, mas no que diz respeito à “sorte” na vida. Embora me pareça que esteja um pouco em desuso esta expressão, ainda me lembro que por estas bandas quem ascendia a um lugar um pouco mais elevado, era por ter um canudo (coisa rara, noutro tempo) ou por ter um bom padrinho, para conseguir um emprego numa determinada empresa (independentemente do lugar, era precisa a cunha de um padrinho) consta até que um tal de primeiro-ministro deste desgraçado País, só lá chegou graças ao seu “padrinho” (um tal de Ângelo qualquer coisa).

Como dentro de alguns meses vamos eleger novamente uma catrefada de deputados e nessa altura a Páscoa já lá vai, certamente que os “padrinhos” vão continuar a ter a sua importância. Quatro anitos como deputado da Nação, vale mais que um bom folar e é a esses “padrinhos “que há que tratar bem. Né!?

2 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Não desdenhe nem amesquinhe quem deputa
a nossa falta de Páscoa é outra

e um conselho que recomendo
"Olhe sempre pelo lado certo da vida"

Pedro Coimbra disse...

Como só encontrei padrinhos pobres, é dar ao chinelo, Rodrigo.
Se eu estiver à espera do folar estou bem f...........lixado!
Grande abraço!!