sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

79 Anos depois!


Comemora-se hoje o 79º Aniversário da revolta dos operários vidreiros da Marinha Grande contra a fascização dos sindicatos.
O objectivo era de que esta revolta tivesse proporções nacionais, mas falhou  e só numa ou outra localidade  mexeu alguma coisa, mas foi de facto na Marinha Grande que assumiu proporções de grande relevo.
Não pretendo historiar, outros amigos o têm feito. Pretendo apenas deixar aqui a minha simbólica homenagem àqueles que em luta pela liberdade e o direito a terem o seu sindicato, foram presos, torturados, deportados e assassinados.
 
Faz todo o sentido continuar a recordar e homenagear os Heróis do 18 de Janeiro de 1934.

11 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Uma recordação oportuna, Rodrigo.
Aquele abraço e votos de bom fim-de-semana

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Ainda não éramos nascidos nesta data mas fomos criados com a dor e a revolta destes vidreiros corajosos.

Nasceu nesse tempo a força da união contra aqueles que amordaçavam o povo.

Passados tantos anos apenas lamento que os nossos sindicatos dividam em vez de se unirem numa causa comum - os direitos e deveres dos trabalhadores.

Rosa dos Ventos disse...

Jamais serão esquecidos!

Abraço

Rogério Pereira disse...

Bem lembrado... trago o lido em um outro lado:

"No final dos anos 20 e início dos anos 30 do século XX os tempos foram particularmente difíceis para a classe operária em geral e especialmente na Marinha Grande. A grande crise do capitalismo iniciada em 1929 teve efeitos devastadores na indústria vidreira. Muitas empresas faliram ou encerraram, deixando muitos operários no desemprego. Mas a classe operária não baixou os braços e o número de greves e manifestações foi imenso. «Não sei se houve alguma zona do País em que as lutas atingissem o grau que atingiram na Marinha Grande.» (Avante! n.º 1572, de 15 de Janeiro de 2004). Merecem destaque as «marchas da fome» e a grande greve de nove meses na Guilherme Pereira Roldão, que culminaria com uma vitória dos operários. Ao mesmo tempo, reforçava-se a unidade e organização da classe operária marinhense.

As associações sindicais de classe – dos garrafeiros, vidraceiros, cristaleiros e lapidários – unificam-se, dando lugar a uma única organização da indústria vidreira, de âmbito nacional, o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Indústria do Vidro, criado em 1931. No plano político, o PCP era já a força determinante junto dos operários vidreiros
Também em 18 de Janeiro de 1934, O movimento e as lutas foram organizadas e dirigidas pelo Partido Comunista Português. Durante algumas horas, na Marinha Grande, o poder esteve nas mãos dos operários vidreiros. Contudo a insurreição não alastrou e as forças repressivas do fascismo conseguiram dominar os revoltosos. Foram feitas dezenas de prisões, em especial comunistas e a maioria dos presos foram deportados para o campo de concentração do Tarrafal.

No seu conjunto, as condenações ultrapassaram os 250 anos de prisão. António Guerra e Augusto Costa morreram no Tarrafal e Francisco da Cruz não resistiu às condições prisionais em Angra do Heroísmo. Os estragos provocados pela repressão na organização sindical e partidária na Marinha Grande foram profundos, mas acabaram por ser ultrapassados. Em breve, o Partido tinha reconstruído a sua organização nas principais empresas. A solidariedade com as famílias dos operários presos, que se viram privadas do salário, foi outra coisa que o fascismo não matou. Grupos organizados recolhiam contribuições à saída das fábricas."

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Uma recordação muito oportuna, Rodrigo
Abraço e bom fds

heretico disse...

boa lembrança - para que não nos apaguem a memória...

abraços

Graça Sampaio disse...

Tinha a certeza que esta homenagem estaria aqui. Como muitos mais resistentes à ditadura fascista não vão ser esquecidos nunca!

Beijinho

Flor de Jasmim disse...

Recorda-los é a melhor homenagem!
Com eles morrem as fábricas de vidro.

beijinho e uma flor

Pedro Coimbra disse...

Aquele abraço e votos de boa semana, Rodrigo!!

Fê Blue bird disse...

Não podemos e agora mais do que nunca, esquecer estes Homens , esta valentia!

Tenho saudades das suas visitas meu amigo, espero e desejo que esteja bem.

beijinho

Pedro Coimbra disse...

Um grande abraço e votos de bom fim-de-semana, Rodrigo!