quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Vemos, ouvimos e lemos (outra vez).

Dado que a minha terra foi hoje notícia por bons motivos ou seja vai acolher (ou já acolheu) um casal de refugiados, decidi escrever algumas palavras a este respeito.
Deixo para os especialistas o fundo da questão. Ou seja a razão desta grande leva de seres humanos a fugirem dos seus Países de origem e a procurar desesperadamente uma nova oportunidade de viverem em paz num qualquer lugar do mundo.

Não desconheço a existência de muitos (mesmo muitos) conterrâneos nossos que vivem miseravelmente, sem um lugar digno para habitar e uma alimentação condigna para si os seus. Não deixo de também temer que esta leva de refugiados possa servir de barriga de aluguer a alguns infiltrados com intuitos assassinos.

Mas será que devíamos olhar e assobiar para o lado perante esta catástrofe humanitária que só perante uma desumana insensibilidade a ela podíamos ser alheios? Não claro que não! Será que devemos abdicar de exigir que as instituições e poderes instituídos resolvam os problemas existentes em relação aos Portugueses em situações complicadas, claro que não! Será que não devemos exigir que as forças policiais, estejam atentas a eventuais infiltrações de gente com intuitos malévolos, claro que sim!

Muito podia ser dito e certamente que é um assunto que infelizmente está longe de terminado. Deixo-vos aqui uma canção “velha” mas que lamentavelmente se mantém actual
.

6 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Há três partes no seu texto

A primeira, referindo Leiria, de acordo!
A que se refere aos riscos de acolhimento, também!
Quanto ao deixar para os especialistas o fundo da questão, não!
De modo nenhum!
A forma mais fácil de perpetuar o drama é ignora-lhe as causas!
(até porque elas são conhecidas,
embora sejam omitidas
ou manipuladas)

Pedro Coimbra disse...

Não se podem abandonar milhares de pessoas a um destino horroroso só porque outros estão em dificuldades ou só porque alguns podem ser indesejáveis.
São coisas diferentes, momentos diferentes, a exigir ponderações e decisões diferentes.
Aquele abraço, bfds

Anónimo disse...

Muito obrigada pela partilha que fez na página da Marinha Grande, espero sinceramente que os comentários xenófobos e intolerantes acabem de vez e, que esta quadra em que estamos, traga tolerância e compaixão, pelo sofrimentos dos nossos irmãos.

Boas Festas e um Feliz Natal para todos.

Flor do Liz

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Portas que se abrem a uma nova esperança.
Reverso da medalha:
- Vamos esperar!
Boas Festas para todos.

heretico disse...

forte abraço, meu caro.
mais que a discussão, importa a acção, agora.

tens toda a razão.

Pedro Coimbra disse...

Votos de um Santo Natal para si e família.
Aquele abraço