sexta-feira, 28 de junho de 2013

"Já que há crime, que haja castigo."

E agora? …
Hoje, Sexta-Feira, é o dia seguinte à Greve Geral. Todos estamos de acordo em que ela teve aspetos muito positivos, o maior dos quais quanto a mim foi o de ter unido as duas centrais sindicais – CGTP e UGT, numa mesma luta, ainda que com objetivos distintos. A CGTP continua empenhada em, através de greves gerais ou parciais derrubar o governo. Este é o seu objetivo sempre confessado. É legítimo? Será suficiente? A UGT teve como principal objetivo obrigar o governo a negociar, a negociar seriamente, honradamente, honestamente, como o fariam ou fazem as pessoas de bem. Mas será que poderemos considerar este governo e outros negociadores como “pessoas de bem”? Só a UGT no-lo pode confirmar. Pessoalmente acho, estou certo, sem pretensões de futurólogo ou profeta que nem a CGTP derrubará o governo - por mais greves que faça, nem a UGT obrigará a uma negociação honesta, honrada. Está bem claro, por toda a política definida por este governo, que os problemas deste país serão resolvidos somente através das medidas de austeridade, o que em primeira e última análise significa desemprego, falências, emigração, suicídios, pobreza em crescimento, negação de direitos já adquiridos. Será através de todos estes processos políticos criminosos que este governo, pau mandado de uma União Europeia, que nem é União nem é Europeia, mas que corresponde apenas aos interesses da Alemanha, que já foi Império, que já foi nazista e que sempre usou o seu poder para explorar e oprimir os seus vizinhos. O objetivo final deste governo nem é sequer o empobrecimento do país é tão somente o de reduzi-lo à indignidade. Um país pode ser pobre mas pode reagir a essa situação mas quando perde a dignidade qualquer acto de resistência se torna inviável. Portugal é o exemplo acabado disso que acabo de dizer. O que a Inquisição e tudo o que se lhe seguiu até ao 25 de Abril fizeram do povo português não foi apenas empobrece-lo foi roubar-lhe a dignidade e assim impedi-lo de reagir. O 25 de Abril foi uma espécie de despertar, um acto de rejeição à indignidade estabelecida, infelizmente com o fim do PREC e o regresso dos retornados ao poder chegámos até onde estamos agora. Não creio por isso que apenas com greves gerais e conversas na concertação social possamos mudar esta situação de indignidade. Apesar disso sempre estou presente em todas as manifestações do povo, apesar dos meus 85 anos. Mas quem sabe talvez um dia veja avançar na frente da multidão em direção ao parlamento e a Belém as forcas tão urgentemente necessárias. Já que há crime, que haja castigo.

Alípio Cristiano de Freitas

2 comentários:

Graça Sampaio disse...

Amigo Rodrigo, apesar ter sido durante anos a favor das greves e "grevista", parece-me que já lá não vamos com greves. Estes energúmenos do governo acompanhados pelo escavacado de Belém só de lá saem quando sairmos para as ruas em revolta!

Bom fim de semana!

Rogério Pereira disse...

"Apesar disso sempre estou presente em todas as manifestações do povo, apesar dos meus 85 anos."

Quase sempre valorizo mais o que se faz do que se diz... Conto com ele, apesar dos seus 85 descrentes anos